A vida da icônica Yoko Ono


Foto de Matthew Placek
Yoko Ono, 2020

A artista, musicista e ativista Yoko Ono, que se tornou famosa mundialmente ao se relacionar com John Lennon, completou 89 anos esta semana e deixará um legado artístico muito além dos Beatles.

Ono nasceu em 18 de fevereiro de 1933, em Tóquio. Oriunda de uma família abastada, ela frequentou as melhores escolas. Quando criança, escreveu poesia e peças de teatro e recebeu treinamento clássico em piano e voz. Deixou a faculdade de filosofia e se mudou para Nova York com a família aos 19 anos, quando seu pai, um executivo de banco, fora transferido. Em Nova York passou três anos estudando escrita e música no Sarah Lawrence College.


Em 1956, casou-se com Ichiyanagi Toshi, estudante de composição japonês por meio de quem começou a estabelecer uma conexão com o mundo da arte de vanguarda. Nos anos seguintes, Yoko começou a organizar eventos de performance com amigos em seu loft e realizou sua primeira exposição individual em uma galeria de Manhatan.


Performance Cut Piece, 1964

Separada de Toshi, Yoko voltou brevemente ao Japão e se casou com o cineasta Anthony Cox, com quem teve uma filha, Kyoko Chan Cox. De volta aos EUA, Ono continuou a construir sua reputação como artista. Foi nesta época que realizou a performance Cut Piece (1964), em que se sentava passivamente enquanto a platéia era convidada a usar tesouras para cortar partes do vestido que ela usava; devido às conotações de violência sexual, a performance foi posteriormente reconhecida como um marco da arte feminista. Em 1966, mudou-se para Londres, onde começou a fazer filmes com o marido. Nesse mesmo ano, ela conhece Lennon em uma exposição de seu trabalho em uma galeria de Londres. Ambos ainda eram casados com outras pessoas, mas desde que conheceram, Yoko e John começaram a colaborar um com o outro artisticamente, em filmes e gravações experimentais. Eles se casaram dois anos depois. Apesar de ter ganho a custódia de Kyoko no divórcio, a menina foi sequestrada pelo ex-marido, ficando muitos anos sem contato.


John e Yoko protesto pela paz "Bed-in", 1969

O casamento trouxe celebridade instantânea para Yoko, cujas consequências foram mistas. Numa campanha pela paz mundial, os famosos “bed-ins” de uma semana do casal (1969) em Amsterdã e Montreal, nos quais eles abriram seu quarto de hotel para a imprensa, permitiram a Ono uma plataforma sem precedentes para se expressar. Por outro lado, quando os Beatles se separaram em 1970, ela foi amplamente difamada como a suposta instigadora da separação. O filho do casal Sean Lennon nasceu em 1975. Yoko continuou sua carreira artística e musical, realizando várias colaborações com Lennon ao longo dos anos, inclusive conquistando um Grammy em 1980. No fim de 1980, no entanto, John foi morto a tiros por um fã enlouquecido.


Nos anos após a morte de Lennon, Ono trabalhou em vários memoriais para ele e supervisionou o lançamento de alguns de seus materiais inéditos. Ela continuou a mostrar seu trabalho como musicista, artista e ativista pela paz, ganhando várias retrospectivas de sua carreira e recebendo um Leão de Ouro por Lifetime Achievement na Bienal de Veneza de 2009.


Instalação de Yoko "Adicione cor: barco dos refugiados", 2019

Em 2017, a Associação Nacional de Editores de Música anunciou que havia iniciado o processo de adicionar Ono como compositora do inesquecível single de 1971 de Lennon, “Imagine”. A organização citou um videoclipe no qual Lennon afirmou que a faixa esperançosa “deveria ser creditada como uma música de Lennon-Ono”, já que grande parte dela era dela.




Yoko nunca deixou de morar no mesmo apartamento que morava com Lennon, em Manhatan. Apesar da idade avançada e de parecer muito presa a seu passado com Lennon, Yoko não pára de produzir. Esta semana ela aproveitou a ocasião do seu aniversário para lançar o álbum Ocean Child: Songs of Yoko Ono, uma coletânea de músicas compostas por ela e com vários intérpretes.




16 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo